Conheça os principais animais da Mata Atlântica

Ocupando áreas do Rio Grande do Norte à região Sul do Brasil, estima-se que atualmente reste apenas 7% do território que originalmente era ocupado pela Mata Atlântica. Apesar dos esforços para conter a devastação do bioma e preservar as espécies que o habitam, fauna e flora da região são constantemente ameaçadas pelo avanço do homem em sua estreita área.

A Mata Atlântica é caracterizada pelo clima tropical úmido — com altas temperaturas e chuva intensa —, que exerce muita influência na biodiversidade local. Sua vegetação contempla variados tipos de orquídeas e bromélias, além do pau-brasil. É o habitat de várias espécies de animais ameaçados de extinção. Confira, a seguir, os principais representantes da fauna desse bioma:

Mico-leão-dourado

Graças a um programa de preservação, o número de animais da espécie saltou de 200, na década de 1970, para mil. A Mata Atlântica é habitat de quatro espécies de mico-leões: além do mico-leão-dourado, encontram-se o mico-leão-da-cara-dourada, o mico-leão-preto e o mico-leão-da-cara-preta. Todos eles se alimentam de frutos silvestres, insetos e pequenos vertebrados.

flickr.com / Tambako The Jaguar O mico-leão-dourado, atualmente, é considerado uma bandeira na conservação da Mata Atlântica brasileira.

Onça pintada

O felino carnívoro habita margens de rios e se alimenta principalmente de antas, gados e outros animais de grande porte. Seu consumo diário de carne pode chegar a mais de 2,5 kg. Forte e veloz, seu tamanho médio é de 2,10 m de comprimento e 90 centímetros de altura, pesando até 150 kg.

Jaguatirica

Também conhecido como gato-do-mato, este animal carnívoro costuma caçar à noite, alimentando-se de aves e pequenos macacos. Com 1,40 m de comprimento, possui garras grandes e afiadas. A espécie está em extinção devido ao uso de sua pele.

flickr.com / Joao Carlos Medau A jaguatirica é um animal de hábitos geralmente noturnos e solitários.

Tatu-canastra

Trata-se de uma das maiores espécies de tatu, podendo medir 1,5 m. Seu corpo é quase todo coberto por uma carapaça com bordas amareladas, com garras de até 20 cm, que utiliza para se defender e cavar cupinzeiros — sua principal fonte de alimentação.

Tamanduá-bandeira

Outro animal com fortes garras, que utiliza para cavar cupinzeiros e formigueiros. Capaz de ingerir 30.000 insetos diariamente, possui um longo focinho que facilita a caça por cupins e formigas. As diversas queimadas na região o colocam na lista de animais em risco de extinção.

flickr.com / Fernando Flores O tamanduá-bandeira é capaz de nadar grandes distâncias em rios amplos.

Arara-azul

Maior exemplar da família das araras, seu tamanho pode alcançar 1,20 m. Frutas, nozes, folhas e sementes fazem parte de sua dieta alimentar. O forte bico a ajuda a quebrar até mesmo cascas de coco.

Compartilhe:

Entre em Contato com a Fragmaq

Quer conhecer nossos equipamentos e serviços ou compartilhar alguma dica sobre sustentabilidade? Preencha o formulário e envie sua solicitação. Nossa equipe está à disposição para ouvi-lo.